ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Intubado por 99 dias, cearense reaprende a correr; ‘chamaram 3 vezes minha família pra se despedir’

 


“Eu fui lá em cima e disse: aqui não vou ficar não, vou voltar”. Essa é a história de um cearense teimoso que reaprendeu a viver após 126 dias hospitalizado - sendo 99 deles intubado e 92 em coma induzido -, por um diagnóstico positivo de Covid-19. Desenganado, chegaram a chamar a esposa e o filho em três ocasiões para dar o último beijo de despedida.

É também uma história de persistência. A dele, em viver. A dos parentes, em manter as orações esperançosas mesmo num cenário desolador. E de profissionais da saúde que não desistiram de tentar fazê-lo acordar recuperado da doença.

O caminho de angústias começou em 15 de novembro de 2020, data do primeiro turno das eleições municipais, naquele ano adiada pela primeira onda da pandemia. Humberto Vieira, de 65 anos, votou normalmente em Fortaleza, já com uma moleza no corpo. Preocupado, decidiu fazer um exame.

Naquele primeiro momento, foi informado da infecção e de 25% de comprometimento dos pulmões. Mas voltou para casa, certo de que a doença regrediria em breve, já que não apresentava sintomas de alarme. Três dias depois, na quarta (18), novo exame constatou o triplo do problema: tinha 75% dos pulmões prejudicados.

O gerente de projetos ligou para a médica e foi orientado imediatamente a buscar um hospital privado. 

“Fui com meu filho e até disse: ‘fique aqui me esperando que já eu volto’. Mas não voltei mais”, conta.

Humberto foi internado e passou três dias no quarto, trabalhando e participando de reuniões on-line. Então, outro médico informou-lhe que sua saturação de oxigênio estava em 88% - quando o normal para uma pessoa saudável é 95%. Um tratamento mais severo seria necessário.

Sugeriram colocá-lo no capacete Elmo, que ajudou a salvar centenas de vidas no Ceará, mas o homem temia a claustrofobia. A alternativa foi uma máscara de ventilação não-invasiva (VNI), para ajudar na respiração.

Algum tempo depois, recebeu a notícia que o fez chorar: precisariam intubá-lo. Naquele momento, se deu conta de que poderia nunca mais rever a esposa, Luziana, ou o filho, Bruno. Com sedativos na corrente sanguínea, apagou-se do mundo por três meses.

CORRENTE DE FÉ

Foi o pior momento da vida da psicóloga Luziana Vieira. Viu Humberto ser traqueostomizado e acoplado a um pulmão artificial, ter a pele ferida por tantas injeções, receber sucessivas transfusões de sangue e fazer hemodiálise quando os rins falharam.

Ela não estava doente como ele, mas lhe faltava o ar. Encontrava respiro de olhos fechados, orando enquanto adorava o Santíssimo Sacramento, ou quando trocava uma palavra de apoio com o filho. 

“Quando eu não tava bem, eu não ia te visitar, mas o Bruno ia. No dia que ele tava pior, eu ia”, lembra para Humberto, durante a entrevista. “A gente foi se dando força pra superar”.

Quando o marido acordou, no dia 27 de fevereiro de 2021, foi o dia mais feliz da vida. A pneumologista Rosa Malena disse que elas entrariam juntas na UTI, para ver como ele se sustentava sem a sedação. “Ele tava cansado, mas falou comigo”, comemora Luziana.

Legenda: Primeiro retorno de Humberto à Beira-Mar foi em setembro de 2021
Foto: Arquivo pessoal

ANIMADO, MAS PERDIDO

Reconhecer a médica que não desistiu dele foi a primeira ação de Humberto ao abrir os olhos, mesmo com a cabeça nublada pelas drogas. Ele atribui a nova chance de viver às teimosias dele e dela, cuja insistência a diferenciou dos médicos que abandonaram a ideia.

Doeu nele saber que, por três vezes, outros profissionais tenham chamado sua família para se despedir. “Disseram que era questão de horas, que eu não teria como escapar”.

O calendário marcava 92 dias de coma, mas, para ele, “tinha passado um dia”. Ali começava um longo processo de reabilitação: ainda demorou quase um mês para deixar o hospital, em 24 de março, e continuou fisioterapia e fonoaudiologia em casa.

Legenda: Sessão de fisioterapia em casa, ainda em 2021, com apoio profissional e da família
Foto: Arquivo pessoal

Nada estava normal. Nem a própria voz, que não reconhecia, nem a coordenação dos movimentos do corpo.

“Era horrível porque, na minha cabeça, eu estava normal, mas levantava da cama e pluf! Caía”. 

Reaprender o básico - ficar de pé, andar, mudar de direção - durou todo o ano de 2021. Nesse período, ele teve outro diagnóstico desafiador. Continuava desnorteado porque perdeu os dois labirintos, estruturas do ouvido responsáveis pela noção de equilíbrio e percepção de posição do corpo. Como num labirinto, estava sem caminho.

Foi aí que entrou novamente a teimosia do engenheiro. Ora, antes de tudo isso, ele fora corredor de rua e de praia, ciclista, nadador, aluno de funcional. Não seriam as sequelas de uma doença que o limitariam.

Vou viver o resto da vida tonto? Vou. Mas, se eu treinar o cérebro, ensinar a ele que minha condição é essa, ele vai entender.

RENASCE O ATLETA

O homem não gosta e nem quer depender de ninguém, por isso botou na cabeça que queria voltar a correr e pedalar na Avenida Beira-Mar. Os tropeços em casa seriam postos à prova no asfalto e no calçamento.

Ele até improvisou um triciclo, mas percebeu que o veículo também ficava inconstante. Preferia a bicicleta de duas rodas, e o filho se voluntariou para acompanhá-lo, em maio de 2021. Paramentou o pai com capacete, cotoveleiras e joelheiras. Todo cuidado era pouco.

“Ele tava morrendo de medo. Fui tentando, tentando, quase caía. Aí, quando consegui, disse para ele se afastar de mim. Fui embora”.

Naquele momento, ao contrário da tristeza do dia da intubação, seus olhos se encheram de lágrimas - desta vez, de alegria. Estava vivo.

Legenda: Ao lado do filho Bruno, Humberto volta a pedalar na Beira-Mar de Fortaleza
Foto: Arquivo pessoal

MONTANDO A BASE

Humberto tomou gosto pela atividade física e voltou a passear pela Beira-Mar. No início de 2022, durante uma caminhada, ele topou com o educador físico Alexandre Castro, o ‘Xande’, com quem teve aulas de funcional em 2014.

Na conversa, o gerente de projetos externou a vontade de correr porque ainda não se sentia estável o suficiente para tal. Ficava fraco para sustentar o corpo, tendia a tombar. A convite, passou a ser acompanhado num centro de treinamento físico na Praia de Iracema.

“Primeiramente, ele tem que hipertrofiar o músculo que ficou muito tempo parado e trabalhar o fortalecimento muscular e a estabilidade”, explica Xande. “Quanto mais ativo o ser humano for, melhor vai ser a recuperação em qualquer caso pós-cirurgia, pós-covid”.

O treinador comemora que o aluno já desenvolveu força, voltou a agachar, evoluiu de 10 para 40 segundos no tempo dos exercícios e multiplicou a distância percorrida nas corridas, passando de 20 para 100 ou até 200 metros.

“Às vezes, ele tem picos de tontura e temos que parar, mas vamos conseguindo aos poucos. Isso dá confiança. A cada movimento que ele faz, ele comemora”, alegra-se.

Minha meta é correr essa Beira-Mar todinha sem parar e sem cair.
HUMBERTO VIEIRA
Gerente de projetos

Legenda: Atualmente, Humberto já trabalha normalmente e pratica exercícios regularmente
Foto: Arquivo pessoal

PLANOS FUTUROS

Engana-se quem pensa que Humberto Vieira guarda rancor pelo destino ou amargura pela condição física. Durante toda a nossa entrevista, ele sorriu, gargalhou e contou piadas. Faz brincadeira de sua história para se tornar exemplo de persistência.

“É não perder a esperança: essa é a mensagem. Já vi muita gente reclamando da vida, e não sou muito disso não. Tô com 65 anos, hoje trabalho do mesmo jeito… tenho que tirar onda”.

Além disso, sente que "Deus me deu a chance de continuar vivendo" e, como forma de retribuição, aumentou a ajuda a pessoas em vulnerabilidade social. "Isto me fortalece e me deixa feliz nesta vida", acredita.

Uma das sequelas físicas de Humberto é só poder olhar pra frente. Mas, por dentro, essa é também uma virtude.



nanomag

Radialista Publicitario e Líder dos movimentos sociais.


0 thoughts on “Intubado por 99 dias, cearense reaprende a correr; ‘chamaram 3 vezes minha família pra se despedir’

    Comente! Expresse sua opinião sobre o assunto ou sobre a dinâmica do site e nos ajude a evoluir!