ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Search

Mundo pode ver crise de energia no estilo da dos anos 70 — ou pior, dizem analistas

 

Pôr do sol atrás de refinaria de petróleo da Total Grandpuits no sul de Paris, França.
Pôr do sol atrás de refinaria de petróleo da Total Grandpuits no sul de Paris, França.01/03/2021 REUTERS/Christian Hartmann


O mundo está enfrentando picos de preços de energia que desafiam a gravidade em tudo, desde a gasolina e gás natural até carvão. Alguns temem que isso possa ser apenas o começo.

Autoridades e ex-funcionários do setor energético disseram à CNN que há preocupação de que a invasão russa na Ucrânia após anos de subinvestimento no setor de energia tenha levado o mundo a uma crise que rivalizará ou até excederá as crises do petróleo dos anos 1970 e início dos anos 1980.

Ao contrário daqueles episódios, este não está restrito apenas ao petróleo.

“Agora temos uma crise do petróleo, uma crise do gás e uma crise da eletricidade ao mesmo tempo”, disse Fatih Birol, chefe do grupo de vigilância da Agência Internacional de Energia (AIE), ao Der Spiegel, em entrevista publicada esta semana. “Esta crise energética é muito maior do que as crises do petróleo dos anos 1970 e 1980. E provavelmente será mais longa”.

A economia global tem sido amplamente capaz de resistir ao aumento dos preços da energia até agora. Mas os preços podem continuar a subir para níveis insustentáveis à medida que a Europa tenta se livrar do petróleo russo e, potencialmente, do gás. A escassez de oferta pode levar a algumas escolhas difíceis na Europa, incluindo o racionamento.

Joe McMonigle, secretário-geral do Fórum Internacional de Energia, disse concordar com essa previsão da AIE.

“Temos um problema sério em todo o mundo para o qual acho que os formuladores de políticas estão apenas acordando agora. É uma espécie de tempestade perfeita”, disse McMonigle, cujo grupo atua como intermediário entre países produtores e consumidores de energia, em entrevista à CNN.

A extensão dessa tempestade perfeita —subinvestimento, forte demanda e interrupções na oferta devido à guerra— terá consequências de grande alcance, potencialmente ameaçando a recuperação econômica após a pandemia de Covid-19, exacerbando a inflação, alimentando o descontentamento social e minando os esforços para salvar o planeta do aquecimento global.

Birol alertou para gargalos no abastecimento de gasolina e diesel, especialmente na Europa, bem como racionamento de gás natural no próximo inverno na Europa.

“É uma crise para a qual o mundo está lamentavelmente despreparado”, disse Robert McNally, que atuou como conselheiro sobre energia do ex-presidente George W. Bush.

Os preços da energia não apenas estão muito altos, mas também a confiabilidade da rede elétrica está sendo desafiada por temperaturas extremas e secas severas. Um regulador da rede elétrica dos Estados Unidos alertou no mês passado que partes do país podem enfrentar escassez de eletricidade e até apagões neste verão.

‘Nossos medos se confirmaram’

O ex-conselheiro sobre energia de Obama, Jason Bordoff, e a professora da Universidade de Harvard, Meghan O’Sullivan, escreveram um artigo na revista The Economist no final de março alertando que o mundo estava à beira de “o que pode se tornar a pior crise energética desde os anos 1970”.

“Desde que escrevemos isso, nossos medos se confirmaram”, disse Bordoff, reitor cofundador da Columbia Climate School.

Claro, existem diferenças importantes entre hoje e a década de 1970. Os preços não subiram tanto quanto subiram naquela época e os formuladores de políticas não tiveram que recorrer a medidas extremas, como controles de preços.

“Se recorrermos a controles e tetos de preços, poderíamos ter escassez”, disse McNally.

Quando a guerra começou, o Ocidente procurou evitar atingir diretamente o suprimento de energia da Rússia, porque era simplesmente muito crítico para os mercados globais. A Rússia não é apenas o maior exportador de petróleo do mundo, mas é o maior exportador de gás natural e um importante fornecedor de carvão.

Mas, à medida que a brutalidade da guerra se tornou clara para o mundo, a abordagem não durou muito, com os Estados Unidos e outros países proibindo as importações de energia russa. A Rússia retaliou as sanções ocidentais restringindo ou mesmo interrompendo o envio de gás natural para vários países europeus.

União Europeia anunciou nesta semana planos para eliminar 90% das importações de petróleo russo até o final do ano. Esse movimento levantou o espectro de mais retaliação da Rússia.

Essa situação “de olho por olho” só piorou o déficit de oferta nos mercados de energia que já estavam apertados.

“Ainda não vimos o quão ruim essa crise da energia vai ficar”, disse Bordoff.

Os preços da gasolina nos Estados Unidos já subiram 52% no ano passado atingindo níveis recordes, irritando o público e contribuindo para a crise inflacionária do país.

Os preços do gás natural, um combustível vital para o aquecimento de casas e alimentação da rede elétrica, quase triplicaram no ano passado nos Estados Unidos. Os preços do gás natural dispararam ainda mais na Europa, embora estejam bem abaixo de seus piores níveis.

‘Putin só nos levou até lá mais rápido’

A turbulência energética de hoje não é simplesmente o resultado da guerra na Ucrânia. É também o subproduto do investimento em petróleo e gás natural, que estão esgotando recursos que exigem enormes somas de dinheiro apenas para manter sua produção, quanto mais aumentá-la.

O montante de investimento no setor de petróleo e gás foi de apenas US$ 341 bilhões em 2021, 23% abaixo do nível pré-Covid, que foi de US$ 525 bilhões, e bem abaixo do pico recente em 2014, de US$ 700 bilhões, segundo o IEF.

Esse déficit de investimento foi causado por uma série de fatores, incluindo uma pressão entre investidores e governos para apostar em energia limpa, o futuro incerto dos combustíveis fósseis e anos de preços do petróleo fracos e voláteis.

“Por causa do desejo de reduzir as emissões de carbono, temos muito menos apetite para investir em hidrocarbonetos. E isso exacerba a volatilidade dos preços e torna mais difícil resolver o lado da oferta”, disse Francisco Blanch, chefe de commodities globais do Bank of America.

A Europa já estava enfrentando uma crise de energia no ano passado e os preços do gás natural, carvão e petróleo estavam altos muito antes dos primeiros tanques russos começarem sua invasão na Ucrânia.

“Estávamos caminhando para uma crise de qualquer maneira. Putin acabou de nos levar até lá mais rápido e mais nítido”, disse McNally, que agora é presidente da consultoria Rapidan Energy Group.

Escassez e filas nos postos?

A crise do petróleo de 1973 foi marcada por longas filas em postos de gasolina, falta de combustível e pânico. Especialistas disseram que se preocupam novamente com a escassez de combustível hoje, embora vejam isso como um risco maior na Europa do que nos Estados Unidos.

“A escassez de combustível é um problema global. Você verá isso muito em breve, embora talvez não nos Estados Unidos”, disse Blanch, do Bank of America.

Blanch disse acreditar que esse risco é menor nos Estados Unidos porque o país continua sendo um dos maiores produtores de petróleo do planeta e um grande exportador de energia. A Europa, por outro lado, é mais dependente de petróleo e gás natural estrangeiros – especialmente da Rússia.

O chefe da AIE alertou para o racionamento de gás natural na Europa, que depende fortemente da Rússia para o gás.

Blanch observou que os preços altíssimos do gás natural já fecharam fábricas na Europa. “A Europa já está no modo de racionamento de gás natural”, disse.

Parque de energia eólica / 17/12/2012 REUTERS/Sergio Perez

‘Temos que ter cuidado aqui’

Especialistas em energia disseram à CNN que temem que os formuladores de políticas globais estejam administrando mal a crise climática, concentrando-se demais na redução da oferta e não o suficiente em cortar o apetite mundial por combustíveis fósseis.

“Não estamos fazendo o suficiente para reduzir a demanda de hidrocarbonetos de forma consistente com nossas metas climáticas”, disse Bordoff.

Concentrar-se em apenas um lado da equação é correr o risco não apenas de picos de preços, mas também de descontentamento social e de afastar o público da ação climática.

“Temos que ter cuidado aqui, porque se permitirmos que o público compare os altos preços da energia com a transição energética, estamos condenados”, disse McMonigle. “Você perderá essencialmente o apoio público, provavelmente de forma permanente”.

McMonigle pediu aos governos que enviem sinais aos investidores de que não apenas está certo continuar investindo em combustíveis fósseis, mas é “necessário” para a economia mundial e o progresso na transição energética.

Mas mesmo que os formuladores de políticas convençam os investidores a aumentar o investimento, isso levaria um tempo considerável para resultar em mais oferta.

O que poderia acabar com a crise energética?

Claro, ninguém pode dizer com certeza exatamente como tudo isso vai acontecer. E pode haver surpresas que facilitem a crise de oferta.

Por exemplo, um avanço diplomático que encerre a guerra na Ucrânia e permita que as sanções contra a Rússia sejam levantadas seria um divisor de águas.

Birol disse que outras surpresas que aliviariam a crise energética incluem um acordo nuclear iraniano, uma desaceleração econômica mais profunda na China ou um acordo da Arábia Saudita e outros produtores da Opep para aumentar a produção de petróleo.

Ele também reiterou que os governos estão prontos para liberar novos estoques de petróleo de emergência. No entanto, mesmo a liberação recorde dos estoques de emergência dos Estados Unidos teve apenas um impacto modesto e fugaz nos preços da gasolina.

Em março, a AIE também instou governos de todo o mundo a considerar medidas drásticas para reduzir a demanda por petróleo, incluindo reduzir os limites de velocidade nas rodovias, trabalhar em casa até três dias por semana, sempre que possível, e domingos sem carros nas cidades.

E há pelo menos um outro desenvolvimento que tem estado na vanguarda ultimamente e que aliviaria a crise de energia: uma recessão econômica, ou pelo menos uma que seja profunda o suficiente para causar o colapso da demanda.



nanomag

Radialista Publicitario e Líder dos movimentos sociais.


0 thoughts on “Mundo pode ver crise de energia no estilo da dos anos 70 — ou pior, dizem analistas

    Comente! Expresse sua opinião sobre o assunto ou sobre a dinâmica do site e nos ajude a evoluir!